Um susto atrás do outro

De novo no quarto, sufocada por cobertas e músicas que nem consigo acompanhar as letras no fone. Qual é dessa vez? Claro. Mais um agito do universo, um choque de realidade, uma puxada pelos pés para voltar a terra.
Como começou num susto, assim acabou. Mas acabou em partes, pois quando um não quer dois não fazem. Estou firme, mesmo que em muitas noites acorde sentando-me na cama rapidamente como uma criança que sonha com bruxas, monstros ou qualquer outra bobeira. Talvez essa seja outra bobeira, que daqui alguns anos nem valha mais nada, mas como trabalho com os dois lados da moeda, talvez essa bobeira daqui 5, 10 anos, ainda me pegue de surpresa de madrugada, com sustos, lágrimas e “insônia”, aspas pois o motivo é claro.
As músicas que ecoam em minha mente através dos fones só servem pra me fazer chorar, mas me disseram que isso é bom, que tenho que colocar tudo pra fora e sentir a dor de modo que ela se esgote, então, vamos lá. Mas posso ser sincera? Não sei bem ao certo porque estou profundamente triste, eu sempre soube que na vida tudo é um risco, que nós temos que apostar fichas em algo pra ver os resultados, e se elas não funcionarem, fica pra próxima rodada… Essa é a vida. Montanha russa.
Agora, ouvindo outra música sem letra aqui, senti o motivo da dor. Deve ser por mais uma vez planejar, traçar caminhos e de repente, ter que recomeçar. Eu sinceramente odeio quando as coisas não seguem o meu script, mas esse é o problema, ou a resposta: só escrevo os meus, infelizmente.
Choro, soluço, respiro, seco o rosto e me preparo pra próxima música. Morro nos meio dos meus pensamentos, choro de saudade, tomo sustos de madrugada, mas durante o dia faço as minhas coisas, escrevo outro script. Deixo meu motivo entre parenteses, para que se precisar ser citado novamente (oh yes!), eu comente nas linhas finais. Do contrário, permanece ali, como algo irrelevante, citado no meio dos parágrafos cotidianos.
— Prefira Borboletas

A liberdade que eu não quero

Já deixei de lado essa coisa de querer agradar ou dar orgulho para familiares e amigos. Já me dei liberdade de decidir o que eu quero pra minha vida, mas mais perdida fiquei. Engraçado que quanto mais liberdade se tem, quanto mais caminhos se tem à vista, mais sem rumo fico, simplesmente porque quero adivinhar o que vai acontecer se for por cada um deles, e aí travo, fico dias e até meses patinando no limbo, sem sair do lugar. Confesso que já arrisquei em agir sem pensar demais só pra acelerar as coisas, mas atrasei tudo, pois muitas vezes tive que voltar ao início e replanejar tudo. Por coincidência, estou nessa.
Não é uma droga ter que dizer pra si mesmo quem você quer ser ou simplesmente quem deve se tornar? Ter que se forçar a ver um futuro pra planejar os passos para alcançá-lo é péssimo, me vejo obrigada a fazer isso. Justo eu, que sempre adotei a filosofia de vida Viver um dia de cada vez, agora, preciso traçar caminhos pra daqui um, dois meses. Não me entenda mal, não quero dizer que gostaria de viver à Deus dará, eu gosto de planos e acho eles importantes para a evolução pessoal… A verdade é que estou cansada de planejar rotas, alimentar expectativas quanto à lugares e pessoas, que com um giro do universo bagunçam-se e não fazem mais sentido, e então, sou novamente obrigada a voltar para o início. Mas como sou teimosa, ei de fazer isso sempre. As voltas do universo não poupam ninguém, e para sair do lugar, preciso me arriscar mesmo que sufocada de liberdade.
— Prefira Borboletas

Não é vergonha sofrer

Estamos cansados de saber que todas as áreas da vida tem seus altos em baixos, e às vezes, tudo vai para seus piores momentos de uma vez só. Nunca deixou de ser ruim pra qualquer pessoa em qualquer idade e nunca deixará de ser algo completamente natural e corriqueiro. Mesmo assim, queremos ser fortes o tempo todo. Algum dia alguém disse equivocadamente que os fortes vão mais longe, e por conta disso, todo mundo quis se tornar um antes de qualquer coisa, mas os fortes só são fortes porque sofreram um dia e tiveram com quem contar no momento de loucura. Muitas vezes adoto o escudo do bem-estar. É preferível sorrir e acenar ao público do que ter que parar para explicar o que nos aflige, mas acontece que isso nos leva cada vez mais para trás, e a linha final, distancia-se. O que é a linha final? O equilíbrio do espírito quando a alma está em paz. Sim, são coisas diferentes que devem ser tratadas com atenção pois um depende do outro para viver. O problema central é o nosso sofrimento. Nós sofremos o tempo todo com tudo, até mesmo quando estamos felizes, já reparou? Quando tudo está bem, já começamos a sofrer antecipadamente pensando que não somos merecedores e que algo ruim está por vir, que em questão de dias iremos descobrir uma grave doença. Tudo bem, é natural. Mas o problema mesmo, é tentarmos usar o escudo da fortaleza quando esses momentos nos pegam, e quase sempre, desprevenidos. Sofrer é purificador, chorar é uma libertação. Ter um ombro amigo pra deitar e ficar em silêncio é a maior prova de que a humanidade ainda caminha mesmo que aos poucos. Não é vergonha sofrer. O sofrimento cura muitas coisas e por conta disso temos que aproveitá-lo quando aparecer. Nós precisamos entender que pedir colo às vezes, é preciso, e procurar alguém pra sofrer junto não é vergonha nenhuma, é o momento mais humilde do ser humano.
— Prefira Borboletas

Um sonho sonhado só, é só um sonho... »

Quem sou eu para cruzar os braços diante do sonho de alguém?
Quem sentir no coração, ajude também. Todos precisamos conquistar coisas, e se podemos ajudar, um dia esse bem volta pra nós!

Boa sorte, Léo! :)

oladobom:

…por isso preciso da ajuda de vocês pra realizá-lo.

Estou participando do festival Breakout Brasil, que vale um contrato com a sony music, e pra poder concorrer preciso do máximo de votos que conseguir.

Posso contar com o seu?

É só clicar no link e depois entrar na página de votação, clicar nas estrelinhas e logar com o Facebook, que o voto se confirma.

Muito obrigado, de coração <3

Mudar de opinião faz bem

Nunca gostei de pessoas mofadas, essas que não saem do lugar, que amam ser as mesmas e por conta disso ficam com medo de se mexer pra tudo. Algum dia, alguém disse em algum canto do mundo (malditamente) que para ser você mesmo, para ser, você precisa ter opinião e a manter, senão você não passa de um “maria vai com as outras”. Se o mundo diz que A+A=B e você acredita que B+A=B, mantenha. Não importa se você está errado, você precisa ser firme, ter opinião.
Por favor!
Com certeza foi aí que nós nos tornamos seres atrasados. Não é ridículo quando artigos, provas, juízes e leis provam algo e um ser dotado de boas ideias vai contra tudo e todos para se manter de correto? Sim, é ridículo e desnecessário. O fato de querer ser já é errado, pois quem é, simplesmente é, como diz o Canto de Ossanha:

O homem que diz “dou” não dá, porque quem dá mesmo não diz
O homem que diz “vou” não vai, porque quando foi já não quis
O homem que diz “sou” não é, porque quem é mesmo é “não sou”
O homem que diz “tô” não tá, porque ninguém tá quando quer

Há pessoas que preferem continuar patinando no limbo ao invés de mudar de opinião e progredir. Mudar é necessário! A opinião não é um decreto, ela é momentânea… Se quando criança eu odiava jiló por nunca ter comido, hoje posso visitar um restaurante, comer e se tornar um dos meus favoritos. E aí? Não posso? Eu posso e devo. Você, ele, ela, devem. Enquanto não trazermos pra nossa vida que a mudança de ideia, de lugar, de ciclos sociais e de hábitos não interferirão em nossa essência, iremos regredir cada vez mais. Não digo que deve se tornar uma pessoa completamente inconstante, mas estar disposto às mudanças é o que dá sentido a vida. Mudar de opinião faz bem e é essencial para conhecer (e dominar) novos horizontes. 
— Prefira Borboletas

Sem o prazer do agora

Acho um perigo quando a felicidade se aproxima demais… O coração se encolhe todo morrendo de medo de um balde d’água fria, afinal, não é fácil começar do zero, seja qual for o ponto da vida, queremos ver nossos pilares cada vez mais altos e inabaláveis. 
O mais bizarro é quando tudo está em plena paz e a mente de alguma forma consegue inventar uma guerra, e sem perceber vamos alimentando-a, mesmo sem razões. Isso deve ser resultado de grandes quedas, onde a mente fica em reserva pronta pro amparo se preciso.
É um perigo essas guerras interiores pois elas travam os melhores sorrisos, as fases mais bonitas mesmo que futuramente não sejam… Perdemos o prazer do agora! Mas olha, o maio perigo de todos é esse, de morrer de medo de curtir a felicidade com medo do balde de água fria. Essa guerra sim, decreta perda de bons momentos sem motivo algum. 
— Prefira Borboletas

Uma carta pra vida #1

Se me permite a honra…

Olá dona moça… Moça o tempo todo, nós envelhecemos, mas você nasce a cada minuto. Enfim… Não vou perguntar como se encontra pois é uma questão sem resposta. Já eu, estou muito bem e sei que é exatamente isto que esperava, mesmo que exista pessoas gritando aos sete ventos que você quer acabar com tudo… Ai que bobeira!
Como em uma conversa com uma amiga, arrisco em dizer que encontrei o seu sentido. Eu sei, pode parecer loucura, mas eu encontrei sim. 
Não poderia você ter me enviado uma carta em anexo à minha certidão logo que nasci me contando tudo? Tive que passar por situações constrangedoras, tristes, muitas alegres mas algumas humilhantes… Era realmente necessário? 
De qualquer forma, estou de pé… Esse privilégio você me concedeu, afinal, estou aqui, falando de você e para você. Depois de vários tropeços e tentativas, entendi que você só quer que eu experimente. Sim, experimentar! Experimentar das dores, das risadas de doer a boca do estômago, das lágrimas mais longas, de enxaquecas causadas por alguém (ou um amor), de paixões, de carinhos, de tapas e socos… Descobri até que dar soco na parede alivia a raiva e ela passa toda em dor para as minhas mãos… É ridículo, mas funcionou algumas vezes. Mas sabe, eu levei muito à sério essa coisa de experimentar, te juro… Provei do bem e do mal, do certo e do errado, e tudo isso foi essencial pra me formar. Antes eu era apenas mais uma pessoa, hoje eu me sinto parte do universo, sinto o meu valor em cada manhã quando acordo e quão fui privilegiada por estar em sua companhia mais um dia!
Não sei se um dia vou entender o que você faz com algumas famílias… Há várias sofrendo por algum motivo, por alguém, por alguma doença… Enquanto há tantas pessoas más desfrutando de você sem pensar em mais nada… Sinceramente, eu já não tento entender mais, como dizia o grande Tim Maia “Na vida a gente tem que entender que um nasce pra sofrer enquanto o outro ri…”, por mais que não faça sentido e seja injusto! Você é assim, e como não é diferente das pessoas, não há como mudar, só podemos aceitar ou nos adaptar.
Nem tudo anda muito bem na nossa relação, há sim alguns pontos a serem alinhados, mas sei que lá na frente, tudo fará sentido. Acho que cada dia mais estou descobrindo quem sou, vivendo pra mim e não para os outros… Aproveitando meu tempo com você, pois como um amor, você pode ir embora a qualquer momento, e o que ei de fazer? Nada. Apenas fechar os olhos.

Com certeza iremos conversar mais, tentarei enviar-te uma carta sempre.
Antes que eu me esqueça, obrigada por hoje.
— Prefira Borboletas

Vivendo o real fora do digital

Pra viver não basta estar vivo, é preciso ir, avançar, correr…
Ultimamente, tenho me afastado de tudo que me torna mais uma pessoa no universo que vê o dia passar, e ao final dele diz: O dia passou voando! Mas não, ele continuou ali, rico em horas, esperando para serem gastas de forma rica, mas eu tenho jogado tudo isso pro alto. Tenho desgostado do gosto de estar viva e poder desfrutar de um mundo.
Comecei me desapegando em público dessa invenção humana que carregamos no bolso 24h e olhar mais nos olhos das pessoas. Nos últimos dias, deletei minhas redes sociais, pois cheguei a conclusão de que só estava lá para falar de mim a quem não quer ouvir, que postava fotos livres, não porque significaram algo pra mim no momento, mas porque eu queria contar o que estava fazendo e com quem estava, pois por algum motivo isso me traria algo… Sejam novas amizades, talvez reconhecimento de algo ou enfim, coisas fúteis que o nosso lado irracional e superficial pedem. Por muito tempo me mantive lá pelos amigos e familiares, mas os verdadeiros que me importam, estão sempre perto, independente desses contatos digitais. 
As redes sociais tem seus lados positivos, mas mais positivo pra mim, é poder passar o dia sem me preocupar com o que as pessoas estão fazendo, pra poder olhar pro meu dia e enchê-lo de coisas que somam e aumentam os meus dias de vida, por terem sidos mais felizes. Tenho corrido em direção da vida, cada vez mais, da minha forma, que talvez possa até parecer egoísta, mas essa é a consequência, pois eu sou a protagonista desta história, e eu decido o fim dela! 
Como já vi em vários lugares, as pessoas permanecem na web 24h por dia pois sentem medo da solidão, acham que estão sozinhas. A verdade, é que enquanto não aprendermos que nós mesmos somos a nossa melhor companhia, jamais estaremos satisfeitos com as demais, sejam elas reais ou virtuais. 
Estou louca pra viver. Alucinada, eu diria… Querendo correr pra tudo e todos, abraçando de perto tudo que amo e indo pra perto de cada uma delas, cada vez mais. Não só quero, como preciso viver. A vida é uma dádiva, e viver, é pra poucos.
— Prefira Borboletas